Seguir ou ser seguido

08/10/2013
Seguir ou ser seguido

O tempo corre e as metas não esperam. Esse foi um dos principais aspectos abordados no XXII Congresso SAE Brasil, que reúne engenheiros da mobilidade e representa aqui a SAE International, com sede nos EUA, mais de 130.000 integrantes e presença em oito países, inclusive China e Rússia.

Organizada em São Paulo, de 7 a 9 de outubro, a edição deste ano foi boa oportunidade para uma primeira avaliação do complexo programa Inovar-Auto, anunciado há um ano pelo governo federal. Curiosamente, nenhum político de peso e nem os presidentes da Anfavea e Sindipeças – principais atores dessa longa cadeia produtiva – estiveram presentes na inauguração.

Fato é que alguns aspectos regulatórios continuam em aberto, enquanto os processos de estudo, decisão e execução são sempre lentos na indústria automobilística em qualquer parte do mundo. Inovar-Auto vai até 2017, porém um ano antes os carros são homologados. Então, definições precisam sair já. Os vieses de eficiência energética e estímulo ao desenvolvimento tecnológico local podem estar corretos, mas ainda falta um real entrosamento entre as partes. Basta uma visita aos mais de 90 estandes da exposição paralela ao congresso para conhecer muitos componentes avançados, embora poucos com decisão efetiva de produção nacional.

Um exemplo é a injeção direta para motores flex etanol/gasolina que estreou no recém-lançado Focus. Bosch, Continental, Delphi e Magneti Marelli mostraram seus sistemas e se disseram prontas para fornecer. Na realidade, a Ford aproveitou para se antecipar aos concorrentes, pois produz no exterior, em boa escala, motores flex com injeção direta. Utilizou seu próprio software de gerenciamento já testado na vida real com E85, nos EUA, e facilmente o adaptou para E100 (etanol puro “descontaminado” de gasolina).

Corrida mercadológica à parte, dispositivos para economizar combustível há em todos os níveis de preço e de complexidade. Desde sensores de nova geração da Schaeffler para o sistema desliga-liga o motor, da Bosch; nacionalização de direção com assistência elétrica, da TRW; pré-aquecimento por indução elétrica em partidas a frio para injeção indireta, da Continental; para-brisas com vidros mais finos (menos peso) sem prejuízo do isolamento acústico, da Saint-Gobain.

Estacionar é incômodo e gasta combustível em tentativas infrutíferas. Pois já em 2015, no campo dos recursos caros, a Bosch oferecerá manobras totalmente automáticas, em vagas apertadas longitudinais ou perpendiculares, quando o motorista poderá sair do carro e assistir. Sistema de recuperação de energia em frenagens para fornecimento de torque adicional, conjugado ao desliga-liga do motor, inclusive em descidas suaves, tende a cair de preço em alguns anos. Pneus verdes também economizam combustível, mas no Brasil há buracos demais no caminho que exigem testes adicionais para adoção em larga escala.

Por fim, alguns fabricantes deixaram transparecer que montagem de laboratórios é relativamente fácil. Problema é ter capacidade de adquirir conhecimentos e aplicar em algo que o consumidor queira ou possa pagar. Daí vem a capacidade de apenas seguir ou ser seguido pelos outros.

Fernando Calmon

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos seus autores, não representando portanto a opinião desta organização.

Comente isso! Comentar

  • Não existem comentários ainda, clique em comentar e seja o primeiro!