Cidade para as pessoas

24/09/2014
Cidade para as pessoas

* Marccelo Pereyra

A incorporação das novas tecnologias no estilo de vida das pessoas do nosso tempo, assumem um papel decisivo nas consequências de seus deslocamentos urbanos. Nos Estados Unidos esse problema de mobilidade já exige a formulação de Leis de contenção do uso indiscriminado de aparelhos celulares, tablets aparelhos de ouvido e outros que estão compondo o transitar dos pedestres. São inúmeros os casos de colisões, quedas em buracos e atropelamentos que estão sendo ocasionados pelo uso desses aparelhos no deslocamento descuidado e inconsequente das pessoas pelos passeios, ruas e avenidas nas cidades. Aqui no Brasil, nada se cria, mas tudo se copia, da pior maneira possível. É assustador presenciar como as pessoas estão utilizando de maneira indevida os seus aparelhos eletrônicos pelas ruas.
Os novos hábitos trazem consigo as novas regras também. Cabe ao poder público promover a segurança de todos, porém as pessoas precisam atentar para a compreensão de que elas fazem parte de um conjunto de situações coletivas quando se inserem num contexto urbano e, assim sendo, essas mesmas pessoas precisam ser menos egoístas e mais sociáveis, compreendendo que o comportamento público delas afetará diretamente o conjunto das situações por onde elas transitarem. É sim um comportamento egoísta, de exibicionismo, de irresponsabilidade e de desrespeito pelo outro. Seja vítima de uma trombada 
com
 alguém no seu transitar, que esteja utilizando um celular ou um aparelho de som, e você sentirá o quanto isso é desrespeitoso com você. Esteja você ao volante de um veículo, aguardando a travessia de pedestres, e presencie um deles que fale ao celular enquanto atravessa vagarosamente à sua frente, ignorando o seu gesto de cumprimento das regras de trânsito e você sentirá o quanto está sendo desrespeitado. A todo momento, em qualquer lugar da cidade, alguém está portando um aparelho eletrônico e infringindo regras de trânsito que poderão trazer consequências imediatas de um acidente. Pense nisso quando estiver transitando.

*Escritor, poeta, psicólogo, blogueiro e consultor da ABETRAN.

Comente isso! Comentar

  • Não existem comentários ainda, clique em comentar e seja o primeiro!